Qualquer pessoa que esteja pensando em alterar a sua dieta deve consultar um médico. Gisele não é médica, é estudante de Nutrição e tudo que ela estiver postando neste blog não é de sua autoria, mas de descobertas e conhecimentos adquiridos, retirados de livros ou pesquisas em sites, que serviram tanto para ela como para você. Com o único interesse de adotarmos uma alimentação mais saudável.

sábado, 12 de abril de 2014

Hipotireoidismo

ATENÇÃO: Este texto pode ser utilizado apenas como uma referência secundária.
Hipotireoidismo

Tireoide
            A tiroide é uma das maiores glândulas endócrinas do corpo, que todos nós temos. Ela está localizada no pescoço (em frente à traquéia) e produz hormônios, os principais são conhecidos como T4 e T3, que regulam a taxa do metabolismo e afetam o aumento e a taxa funcional de muitos outros sistemas do nosso corpo. A tireoide também produz o hormônio calcitonina, que possui um papel muito importante na homeostase do cálcio.
            Quando a tireoide não funciona de maneira correta, pode liberar hormônios em quantidade insuficiente, causando o hipotireoidismo, ou em excesso, ocasionando o hipertireoidismo que são os problemas mais comuns da glândula tireoide.
Curiosidades sobre a Glândula Tireoide
  • Atua no crescimento e desenvolvimento de crianças e adolescentes, no peso, na memória, na regulação dos ciclos menstruais, na fertilidade, na concentração, no humor e no controle emocional.
  • Quando ocorre o hipotireoidismo, o coração bate mais devagar, o intestino não funciona corretamente e o crescimento pode ficar comprometido.
  • Diminuição da memória, cansaço excessivo, dores musculares e articulares, sonolência, aumento dos níveis de colesterol no sangue e depressão também são sintomas de hipotireoidismo.
  • No caso de hipertireoidismo, que geralmente causa emagrecimento, o coração dispara, o intestino solta, a pessoa fica agitada, fala demais, gesticula muito, dorme pouco, sente-se com muita energia, embora também esteja cansada.
  • Em um adulto, a tireoide pode chegar a até 25 gramas.
  • Disfunções na tireoide podem acontecer em qualquer etapa da vida e são de simples de se diagnosticar.
  • O reconhecimento de um nódulo na tireoide pode salvar uma vida. Por isso, a palpação da glândula é de fundamental importância. Se identificado o nódulo, o endocrinologista deve solicitar uma série de exames complementares para confirmar ou descartar a presença de câncer.
  • Estima-se que 60% da população brasileira tenha nódulos na tireoide. Mas isso não significa que sejam malignos. Apenas 5% são cancerosos.
  • Algumas crianças podem nascer com hipotireoidismo. Para detectá-lo, é realizado o chamado Teste do Pezinho, que deve ser feito, preferencialmente, entre o terceiro e quinto dia de vida do bebê.

 

O hipotireoidismo tem cura?

            Não existe uma cura definitiva para a doença, mas o controle pode fazer com que o paciente leve uma vida normal. O tratamento mais comum é feito com reposição hormonal, geralmente com hormônio sintético da tireóide, em geral, na forma de comprimido, que deve ser tomado diariamente pelo resto da vida. Mas vale o alerta: se estiver com falta ou excesso de medicação, podem aparecer os sintomas opostos, de hipertireoidismo. Os mais comuns são: agitação física e mental, insônia, irritação e perda de peso.

O hipotireoidismo provoca aumento de peso?
            Existe uma relação complexa entre as doenças da tireóide, o peso corporal e o metabolismo. Os hormônios tireoidianos também regulam o metabolismo, e a taxa metabólica basal também pode diminuir na maioria dos pacientes com hipotireoidismo, devido à baixa nos hormônios. No entanto, esse ganho de peso é menor e menos dramático do que o ocorre nos pacientes com hipertireoidismo.

Controle do Hipotireoidismo
           Se o paciente estiver com a medicação ajustada adequadamente, sua rotina não será muito afetada. É fundamental manter também uma alimentação equilibrada e praticar exercícios físicos regulares para a manutenção do peso para afastar a obesidade e seus efeitos negativos, como hipertensão, diabetes, aumento do colesterol e problemas cardiorrespiratórios.
            Para quem faz uso de medicamentos para regular os níveis de TSH é importante saber que pesquisas científicas sugerem que o medicamento deve ser ingerido com o estômago vazio, uma hora antes da alimentação.

Para adequada função da tireoide:
           A Tireoide necessita de nutrientes específicos para manter o bom funcionamento, como iodo, selênio, ferro e zinco, portanto existem alguns cuidados nutricionais que podem ajudar na manutenção da saúde da tireoide. A alimentação pode tanto contribuir, como prejudicar o quadro, e para que isso não aconteça, atenção especial a alguns nutrientes que devem ser evitados ou consumidos com moderação.
            Tão importante quanto controlar o consumo destes alimentos é incluir os nutrientes que podem melhorar o bom funcionamento da tireoide, lembrando que um nutricionista poderá lhe orientar quais as melhores opções, não somente visando os alimentos fontes de tais nutrientes, mas também os alimentos que apresentam acima de tudo uma boa biodisponibilidade e melhor absorção, fundamental para a melhora do quadro.

Manter hábitos saudáveis e:
  • Iodo: fundamental para produção dos hormônios tireoidianos, mas o seu excesso pode ser prejudicial. Fontes de Iodo: peixes e frutos do mar, algas marinhas;
  • Preferir alimentos com baixo índice glicêmico, ex: ameixa, maçã, pêra, iogurte light, damasco seco, cenoura crua, tomate, alface, arroz integral.
  • Cloro: está relacionado ao bloqueio de iodo na tireoide. Evite água clorada- água da torneira e alguns adoçantes que contém sucralose.
  • Soja: contém flavonóides e ácido fítico, que prejudicam o funcionamento da tireoide e a absorção de minerais (zinco, cálcio e magnésio). Evite: leite e suco a base de soja, salsicha, peito de peru, hambúrguer e outros produtos que contenham soja (presente atenção na rotulagem nutricional).
  • Açúcar e alimentos refinados: esses alimentos aumentam muito a insulina, que tem alta relação com a disfunção da tireoide. Evite alimentos refinados como: pães, arroz, farinhas brancas, açúcar e doces em geral.
  • Prefira consumir o repolho, brócolis, couve-de-bruxelas, couve-flor e espinafre cozidos. Estes alimentos contêm glicosinolatos substância que pode interferir negativamente.
  • Glúten: pode prejudicar o bom funcionamento da tireoide. Evite aveia, cevada e farinha de trigo (observe as embalagens).
  • Café: pode prejudicar a absorção do medicamento. Evite-o próximo ao horário da medicação.
  • Vitamina A é necessária para uma boa absorção do iodo.
  • Vitaminas do complexo B ajudam o iodo na produção hormonal.
  • Fibras evitam o aumento brusco de açúcar no sangue, evitando a ativação da insulina, além de estarem associadas a alimentos fontes de magnésio e outros nutrientes.
  • Selênio é essencial para a conversão de T4 para T3. Fontes de selênio: Castanha do Pará, Salmão, Sementes de girassol, entre outros.
  • Aumente também o consumo de alimentos ricos em cálcio, Omega-3, gorduras poliinsaturadas (“boas”) e vitamina D.
  • Alimentos ricos em zinco: agrião, pasta de gergelim, carne bovina magra, salsinha;
  • Alimentos ricos em ferro: feijão, grão de bico, lentilha, ervilha, carne bovina magra (patinho, coxão mole/duro, músculo, alcatra).
  • Diminuir o consumo de alimentos processados e/ou industrializados que contenham alto teor de frutose xarope de milho, como exemplos têm: Refrigerantes, sucos industrializados, bolos, pães, bolos, croissants, tortas, cookies e snack-bares industrializados, iogurtes, sopas, molhos, caldos e condimentos industrializados, frutas em conserva e congelados.


Retirada total ou parcial da Tireoide:
            Pesquisas indicam que as cirurgias da glândula tireoide para retirada quando apresenta carcinomas têm bons resultados de sobrevida, ressalvadas algumas premissas, independentemente da abordagem efetivada. Sendo, portanto, o melhor tratamento do carcinoma diferenciado da glândula tireóidea é o cirúrgico.  O controle adequado do hipotireoidismo pode ser determinante para recuperação de eventuais patologias.
            Vale ressaltar que os nódulos só provocam algum problema quando produzem hormônio independentemente do controle que o organismo exerce sobre a glândula. Nos casos de hipertireoidismo, a pessoa tem no sangue uma quantidade anormal de hormônio que a tireoide produz, e o tratamento requer a utilização de medicamentos, de iodo radioativo ou cirurgia. Entretanto, os nódulos não produtores de hormônios, que constituem a imensa maioria, praticamente a totalidade deles, esses não interferem na produção de hormônios, tanto que, muitas vezes, metade da glândula é retirada e a pessoa continua vivendo bem, sem nenhuma alteração nos níveis normais de hormônio. Portanto, retirar meia tireoide não modifica a produção hormonal.

Fontes pesquisadas:
VINAGRE, Ana Lúcia Marinho  and  SOUZA, Marcus Vinícius Leitão de.Interferências na absorção de levotiroxina e dificuldades no manuseio de pacientes com hipotireoidismo na unidade de terapia intensiva: relato de dois casos e revisão de literatura. Rev. bras. ter. intensiva [online]. 2011, vol.23, n.2, pp. 242-248.
Nutrição no Hipotireoidismo. Karina Nunes de Simas - Nutricionista, Mestre em Ciência dos Alimentos – UFSC, Pós graduanda em Nutrição CLínica Funcional. http://nutriatualidades.blogspot.com.br/2011/09/nutricao-no-hipotireoidismo.html
http://hipotireoidismo-cura.blogspot.com.br/2012/02/dieta-para-hipotireoidismo-alimentacao.html
ANDRADE SOBRINHO, Josias de; CURIONI, Otávio Alberto; AMAR, Ali  e  RAPOPORT, Abrão.Conduta conservadora no carcinoma papilífero da glândula tireóide.Rev. Col. Bras. Cir. [online]. 2003, vol.30, n.4, pp. 314-318.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Tiroide
http://www.endocrino.org.br/10-coisas-que-voce-precisa-saber-sobre-tireoide/
http://www.minhavida.com.br/saude/materias/12120-hipotireoidismo-oito-duvidas-sobre-a-doenca-da-tireoide
http://www.nutricore.com.br/blog/nutricao_e_saude/os-nove-melhores-alimentos-para-a-tireoide
http://centrodeartigos.com/tratamentos-e-doencas/artigo-2216.html



sexta-feira, 7 de março de 2014

Bicarbonato de Sódio

ATENÇÃO: Este texto pode ser utilizado apenas como uma referência secundária.

Bicarbonato de Sódio

Usa-se como antiácido estomacal porque ele tem o poder de neutralizar os excessos do ácido clorídrico do suco gástrico. É muito usado nas receitas de culinária como agente levedante ("fermentos químicos"), para ser utilizado no crescimento das massas de pães, bolos e biscoitos durante o cozimento no forno, na produção de bebidas gasosas (refrigerantes).
Outras utilizações do bicarbonato de sódio são como reagente de laboratório, na eletrodeposição de ouro e platina, em curtumes, no tratamento da lã e da seda, na nutrição de animais, na cerâmica, para a preservação da manteiga e da madeira e é um dos componentes dos talcos e desodorantes. A forma anidra do composto usa-se para absorver umidade e odores. É utilizado na fabricação de extintores de incêndio com produção de espuma.
Diz os mais antigos que, ou melhor, achei na internet que:
- Remove manchas de queimado: Tirar as marcas de queimado daquela assadeira é uma tortura. Para facilitar, cubra as manchas da assadeira com bicarbonato ou água quente e deixe agir por 10 minutos. Em seguida, limpe a assadeira com bicarbonato de sódio e uma esponja.

- Limpa a garrafa térmica: Coloque água quente e bicarbonato de sódio dentro da garrafa térmica, esse processo irá retirar resíduos de líquidos que foram armazenados na garrafa. Depois, enxágue bem a garrafa.

- Carpetes e tapetes: Para remover manchas de gorduras, misture uma parte de bicarbonato de sódio e 4 partes de álcool. Utilize uma escova para aplicar a solução nas manchas e depois enxágue com água. Se o problema do seu carpete ou tapete é o cheiro ruim, espalhe bicarbonato e depois aspire.

- Retira odores da geladeira ou do freezer: Separe meio litro de água morna e adicione uma colher de sopa de bicarbonato de sódio. Despeje um pouco do líquido em um pano e limpe as prateleiras e as paredes da sua geladeira. Se o seu refrigerador não é frost-free, espere descongelar para começar a limpeza. Depois é só passar um pano para secar.

- Limpeza de pisos: Encha um balde de água morna e adicione meia xícara de bicarbonato de sódio. Utilize um esfregão ou uma vassoura para passar a solução sobre o piso e depois enxágue o piso.

- Desentupir cano de pia: Despeje no ralo de duas a quatro colheres de sopa de bicarbonato de sódio e em seguida jogue meia xícara de chá de vinagre.

- Retire o mofo: Para limpar locais que estão com mofo, use água e bicarbonato de sódio. Se a superfície for muito frágil, não utilize muito bicarbonato de sódio.

- Lavar a roupa: Misture uma colher de bicarbonato de sódio ao sabão em pó quando for lavar roupas brancas. O produto ajuda a tirar manchas das peças.

- Limpe esponjas e panos de limpeza: Deixe as esponjas e os panos mergulhados em uma solução com água e bicarbonato de sódio por uma noite. No dia seguinte eles estarão limpinhos.

- Tire manchas de café e chá: Ao limpar chaleiras e filtros de cafeteiras, encha o recipiente com água e adicione 2 ou 3 colheres de sopa de bicarbonato de sódio e ferva a mistura por cerca de 15 minutos. Depois que o utensílio esfriar, esfregue e enxágue com água. Para remover manchas de chá e café das xícaras, mergulhe uma esponja umedecida em bicarbonato de sódio e esfregue a superfície que está manchada.

- Limpeza de utensílios de aço inox: Dissolva o bicarbonato de sódio em água e utilize a solução para limpar e dar brilho aos itens de aço inox.

- Latas de lixo: Para limpar a lata de lixo, despeje uma solução com água com bicarbonato e deixe agir por alguns minutos.

- Limpe as panelas: Se quiser tirar manchas ou a gordura das panelas, ferva 2 xícaras de chá de água com 2 colheres de bicarbonato de sódio. Despeje a água, limpe a superfície com uma esponja salpicada de bicarbonato. Por fim, enxágue bem a panela.

- Limpeza do forno e do fogão: Despeje uma xícara de chá de amoníaco no forno. Deixe agir por algumas horas e depois utilize um pano com água e bicarbonato para fazer a limpeza. No fogão, passe uma esponja com água e bicarbonato de sódio. Em seguida, seque com um pano limpo e seco.

- Limpe a tábua de carne: Para remover odores da sua tábua de corte de madeira, esfregue a superfície com bicarbonato de sódio. Depois, é só enxaguar.

- Chulé: o bicarbonato também serve para acabar com chulé! Utilizando duas colheres de bicarbonato, você faz pequenos sachês para depois colocar dentro de sapatos e tênis durante a noite. Retire ao amanhecer e procure não calçar os sapatos e tênis se ainda restar algum vestígio do bicarbonato - ele pode causar irritações à pele;

- Cabelo: muita gente usa o bicarbonato de sódio no cabelo. Para tirar os resíduos químicos que se acumulam no cabelo, misture uma colher de sopa com o seu xampu e aplique uma vez por mês.

- Esfoliante: uma mistura de três partes de bicarbonato de sódio e uma de água tem função esfoliante ajudando a remover as células mortas do corpo e devolvendo o aspecto saudável à pele. A técnica também serve para retirar cutículas antes de fazer a mão;
 - Branquear os dentes: O bicarbonato de sódio é um abrasivo leve que remove com eficácia as manchas nos dentes causadas por chá, café, cigarros e outras coisas. Porem este uso faz com que aumente a sensibilidade dos dentes, cuidado.
- Câncer: Encontrei em alguns sites o seguinte: “Médico italiano diz que o câncer pode ser originado por fungos, podendo ser combatido somente com bicarbonato de sódio”. Lembrando que as fontes pesquisadas não são pesquisas ainda comprovadas. Mas há um blog que relata, uma dona de um cão, que estaria com câncer, ter testado colocando uma colher de chá de bicarbonato da água que a cadela bebia, a blogueira relata que logo os sintomas INVOLUIRAM como ela mesma cita.
 - Aumenta a resistência Física: Um estudo recente comprovou que a combinação de creatina com bicarbonato de sódio aumenta a força e a resistência física. Além disso, o bicarbonato de sódio também poderá ajudá-lo a perder gordura e a ganhar massa muscular. Consulte a Fonte: Global Fitness


Referencias:

Foram consultadas mais de 40 páginas na internet através do Google: Pesquisas: Bicarbonato de Sódio.

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

1001 maneiras de ficar em forma


Adoro dar uma opinião quando leio algum livro e este eu tenho uma simples definição para o que o autor quis dizer em 1001 maneiras, em três. Primeiro: Pratique Atividade Física todos os dias ou cinco vezes na semana. Segundo: mude seus hábitos alimentares e Terceiro: não exceda a quantidade de calorias diária.

Mas garanto aos senhores que se seguirmos o que sugere o livro, nos dá uma impressão de vivermos uma satisfação plena. Ioga, caminhada, entre tantas outras como irei descrever algumas agora:

·         Mude seu estilo de vida, pratique atividade física e descubra o lado saudável da alimentação com prazer.

·         Faça metas, tenha um objetivo na vida.

·         Busque o equilíbrio na vida.

·         Não passe fome.

·         Fuja de dietas mirabolantes

·         Fuja dos industrializados

·         Fuja dos problemas praticando alguma atividade física e não na comida para confortar.

·         Procure apoio profissional.

·         Qualidade não é quantidade.

·         Beba muita água.

·         Acorde cedo.

·         Fique menos tempo na frente da tv.

·         Dê um tempo a mais para você

·          Mude hábitos

·         Durma bem.

·         Fuja da coca-cola.

·         Recupere a forma

e a ultima dica: Chega de dar desculpas para os outros dos porquês  que você está acima do peso, "o Nutricionista não resolveu o meu problema",  "eu fiz tudo que ele mandou e eu não emagreci nada", duvido que você tenha seguido certo.  Acho que as desculpas é o maior obstáculo para os passos rumo ao emagrecimento. Analise o que este peso a mais causa na sua vida e o que você pode fazer para emagrecer, desculpas até eu dou e sei que a verdade é que comemos demais.

Sobre o livro apesar de nos dar muitas sugestões ótimas de melhorar a vida no geral, ele repete bastante estas sugestões sim, beber água então prega várias vezes. Mas não podemos menosprezar nem um pouco a tantas ideias e sugestões maravilhosas, e assim quem sabe alguém segue e realmente emagrece, ou melhor passa a ter hábitos mais saudáveis.  

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

PRATO SUJO - Marcia Kedouk

Comprei por acaso numa banca de jornal, achei,como sempre, titulo interessante e levei pra casa. Kedouk, autora deste maravilhoso livro que li em pouquíssimos dias, investiga assuntos “superinteressantes” que envolve a indústria alimentícia.
Começo escrevendo o seu ultimo parágrafo: “Seja como for, depois das dezenas de entrevistas que fiz, livros que li, documentários que vi e lugares que visitei para produzir este livro, uma coisa me parece certa: o futuro da comida é uma volta ao passado”. E foi a conclusão que cheguei, também, ao final desta leitura. Por este motivo, quero colocar aqui algumas descobertas de Kedouk, um breve compêndio do que me fez perder horas afinco lendo sobre “SEXO, DOGS E HOT ROLL”.
Uma pesquisa da Universidade Federal de São Paulo mostrou que 31% dos recém-nascidos com menos de três meses de vida já tinham experimentado açúcar. Até o sexta mês, 12% tomavam refrigerante, numero que sobe para 20% aos 9 meses. Bebês com menos de 1 ano de idade que tomam frequentemente refrigerante chegam a 56,5%. Olha só a pandemia da barriga cheia: Um terço das crianças no mundo está acima do peso ou é obesa, segundo a Organização Mundial da Saúde; Um em cada quatro adolescentes americanos corre o risco de desenvolver diabetes tipo 2, que tem como uma das causas principais a obesidade. Em 1990, a chance era de apenas um para dez; Uma pesquisa americana mostrou que crianças obesas na faixa dos 10 anos já têm artérias envelhecidas, de adultos de 45.

No Capitulo um Kedouk, descreve a origem do churrasco, quando nossos ancestrais descobriram o fogo e tiveram a idéia de assar uma carne, nem sabiam que mudariam a evolução da espécie: Um grama de gordura tem nove calorias. Um grama de proteína pura tem, quatro; Só temos um cérebro enorme e com mais neurônios por centímetro quadrado porque aprendemos a tirar mais calorias da comida. Somos a única espécie que cozinha.

Capitulo Dois: Cocaínas da Cozinha
Farinha, sal, açúcar e gordura são as drogas mais viciantes do mundo da gastronomia. E elas estão por toda parte. No Brasil, 73,6% dos alimentos consumidos vêm da indústria, inclusive nas regiões mais distantes dos centros urbanizados; Uma pesquisa da Universidade de Calgary, no Canadá, analisou 186 papinhas e outros alimentos infantis e descobriu que 63% tinham excesso de sódio ou de açúcar; Um único alimento pode ter mais de 35 tipos de ingredientes diferentes como aditivos e conservantes, exemplo disso esta num simples nugget. E em se tratando do açúcar, o pó branco que inebria o nosso cérebro, quem começou a expandir o comercio do “as-sukkar” foram os árabes.
Estudo feito em 2012 por cientistas da Universidade da Califórnia, concluiu que o excesso de açúcar causa os mesmos danos no fígado do que o álcool. Eles até defendem que a venda de refrigerante seja proibida para crianças; Hoje, 67% dos brasileiros entre 19 e 59 anos ultrapassam a quantidade ideal de açúcar na dieta; Gordura é tão viciante quanto os doces; Do mesmo jeito que um bebedor costuma agüentar vários copos de chope antes de ficar bêbado, o comedor profissional manda ver nesse quarteto (açúcar, sal, trigo e a gordura) até a perda total dos órgãos.
As estratégias das empresas: redes de fast food vendem felicidade, então hambúrguer e batata frita; refrigerante são abraços apertados em você mais ama; margarina é garantia de família unida e contente; cereais, biscoitos e cookies cheios de açúcar são energia para encarar o dia; comida congelada é certeza de elogios do marida, da mulher ou dos filhos e, grátis, tempo livre para ficar com eles.
·         Nas embalagens compradas pelos fumantes está escrito que aquele vício pode causar câncer no pulmão. E nas latas de refrigerante? Não me lembro de ter visto indicações sobre risco de desenvolver obesidade e males associados a ela.
·         O tabaco perdeu o ranking para doenças derivadas da má alimentação. O poder de convencimento da indústria de cigarro foi limitado e o da alimentação industrializado ampliado.

Capitulo três: pegadinhas da vida saudável.
Para a indústria conseguir produzir um suco é colocado muito aditivos para aproximar o gosto do original e ainda prolongar a vida útil das prateleiras – Fernando Kuniyoshi Rebelatto.
Adoçante: quando comemos um produto com pouca ou nenhuma caloria, geralmente acreditamos que podemos exagerar na dose ou compensar com algo mais gordo.
Refrigerante ZERO: Uma pesquisa concluiu que quem toma refrigerante diet com freqüência terá 70% a mais de aumento da circunferência abdominal do que quem não bebeu refrigerante. Por sabermos que é diet tomamos mais.
Pão Integral: Repare no rótulo que você estiver comprando. Se a lista começar com farinha de trigo enriquecida com ferro e ácido fólico, significa que tem mais de farinha branca do que farinha integral. Pães industrializados no Brasil têm entre 40% e 70% de trigo altamente refinado. Dica na hora da compra: Compare as fibras descritas na embalagem. Aquela que maior numero de fibras é a que vai dar mais saciedade, o que é uma boa para controlar o apetite, e, de quebra, ainda ajuda ao intestino a funcionar direito.
Iogurte sem gordura: os alimentos com zero gordura costumam ter mais sódio do que os convencionais. Outra questão ligada ao leitre e derivados magros é que as vitaminas contidas neles precisam justamente de gordura para ser completamente absorvidas pelo corpo.
Sopas: Comer um legume é diferente de tomar um caldo com legumes. Alimentos sólidos dão mais trabalho para serem digeridos do que os líquidos, por isso geram mais gasto calórico. As fibras que se desmancham na sopa passam mais rápido do estômago para o intestino, e o amido dos legumes logo vira glicose no sangue.
Fast Foods: Muito simples, estão repletos de sódio o que atrai molécula de água e aumenta a pressão sanguínea, a famosa pressão alta.
Adorei a parte que fala dos adoçantes, que foram inventados por acaso, durante o processo de fabricação de remédios, como pro exemplo, remédio contra a febre, que procuravam algo que encobrisse o gosto amargo, logo surgiu o adoçante Ciclamato de sódio, zero caloria, 40 vezes maior do que o do açúcar.
Estudos mostraram que excesso de frutose (mel, frutas e outros vegetais, como milho) pode diminuir a produção do hormônio leptina, responsável pela sensação de saciedade, e aumentar o da grelina, que dispara a fome.

Capitulo quatro: a invenção das dietas
Kedouk conta a história da marca Kellogg de como ela se tornou a empresa que mais vende cereais no mundo, leiam...
·         Colocando para dentro do corpo mais energia do que gasta, você engorda; colocando menos, emagrece. Lei da termodinâmica.
·         A glicose é a grande fonte de energia do nosso corpo, mas as gorduras além de fundamentais para a composição e o funcionamento das células, elas têm papel na absorção de vitaminas e na síntese dos hormônios sexuais. Já as proteínas são os tijolos que constroem e reparam os músculos.
·         Quem regula o estoque de proteína e gordura no corpo é o cérebro, usando principalmente dois hormônios: a grelina, que dispara a fome e faz você querer ir a caça, e a leptina, que avisa os neurônios quando as reservas estão de bom tamanho.
A farsa das dietas: para emagrecer e ter saúde era preciso cortar gordura, principalmente a animal, açúcar e alimentos altamente processados, como aqueles que levam farinha branca.
·         Quem faz dieta que corta os carboidratos “seca” rápido, por que perde água e massa muscular. Isso não é garantia de emagrecer para valer, muito menos boa saúde.
·         “Qualquer dieta faz você perder peso, porque gera um défict calórico. Mas a maioria é restrita e requer alimentos que fogem daqueles mais habituais. Por isso,é difícil de seguir e impossível de manter, o que gera frustração e efeito rebote” – Alfredo Halpern.
·         Quanto mais radical for à dieta, maior o contra-ataque do cérebro, sem contar o efeito bombástico na saúde. Para entender melhor leiam o livro, página 106.
·         Reeducação alimentar é muito mais eficiente do que a restrição alimentar. Dietas restritivas demais deixam você mais gordo, frustrado e infeliz.

Capitulo Cinco: A fantástica fábrica.
As estratégias da indústria para fisgar seu estômago. Kedouk descreve como os supermercados são altamente estrategistas, que preparam um ambiente muito além de se preocupar em apenas colocar o produto na prateleira para o consumidor. Os macetes que os fabricantes usam para chamar a atenção do consumidor quando olham a embalagem...

Capitulo seis: Usinas de Carne

Os animais que você come são turbinados com aditivos químicos e produzidos em série, como numa linha de montagem... Para os bois, são necessários 10 quilos de grãos para produzir 1 quilo de carne. Boi confinado sofre com a fermentação que é muito maior e gera acúmulo de gases, que incham o estômago e pressionam o pulmão. Sabia que tem diferença o gosto de uma carne de um boi criado no pasto com um outro criado confinado? Faz o teste...

Capitulo sete: o sabor do veneno
A revolução verde aumentou a produção de alimentos, mas mandou a conta: uma enxurrada de agrotóxico no seu prato. “Quando seu Valmício plantava milho, cada alqueire produzia 80 sacas de 60 quilos. Hoje, um alqueire dá até 500 sacas; Em 50 anos, a produção de alimentos cresceu 40% e a porcentagem de famintos no planeta caiu de 35% para 13%; Segundo o IBGE, o país é o maior consumidor de agrotóxico do planeta e responde por 86% do que é vendido na América Latina; Seja como for, o fato é que os pesticidas acabaram se tornando tão importantes para a agricultura quanto a chuva e o sol.

Capitulo oito: comida Frankenstein
Transgênicos recebem partes de bactérias ou de outras plantas e despertam calorosas discussões sobre o efeito disso na saúde...

Capitulo Nove: cientistas na mesa
Alimentos que fazem bem e, logo depois, fazem mal. Logo o cacau – assim como no vinho tinto, nas frutas vermelhas e no chá -, tem uma substancia chamada de flavonóides que previnem o envelhecimento...

  Capitulo Dez: A saga do colesterol
Um americano consome 350 ovos por ano e um brasileiro não chega a 162. No Brasil, o consumo per capita de refrigerante supera o do leite em quase três vezes, mostram dos dados do IBGE...; O consumo diário de 160 gramas ou mais de carne processada, como salsicha, lingüiça, bacon, hambúrguer e presunto, aumenta em 72% o risco de morte por males cardiovasculares e 11% por câncer.
Depois segue os capítulos onze e doze onde ela apresenta como Prato Limpo, que é um convite aos sabores da comida de verdade. Sem pressa. Mas este eu passo em outra parte, até lá recomendo você comprar o livro e ler.
Vale ressaltar aqui que a autora evidenciou uma imensa riqueza de informações que só uma pesquisadora antenada e dedicada poderia propor neste livro.  Parabéns a Marcia Kedouk, super interessante seu livro.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Vilões da Dieta

Muita gente tem uma idéia do que precisa para emagrecer, fazer dieta, e mesmo naquela semana que estamos tentando controlar a gula caímos em tentação num doce, pão, sorvete, batata frita, sem saber que estes são os grandes vilões de qualquer reeducação alimentar.

Encontrei na revista Men`sHealth, de março de 2012, uma reportagem muito bacana que vale a pena ler e tomar consciência.  

Clique aqui:
VILÕES QUE NÃO DEIXAM EMAGRECER - MEN`SHEALTH

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

PARTO PREMATURO - PREMATURIDADE

Este texto tem a participação de Rosane Dutra, também estudante de Nutrição.

Prematuridade:
O período normal de uma gestação são 40 semanas, porém em alguns casos a gestação pode durar menos tempo, quando o parto ocorrer antes da 37ª semana de gestação ou pré-termo o parto é considerado prematuro, resultando assim em um bebê prematuro.
Nutrir adequadamente o prematuro é um dos desafios da nutrição, garantir que ao mesmo um desenvolvimento e ganho de peso adequado. Esses cuidados já são reconhecidos desde Século XIX, onde se enfatizava a importância da permanência da mãe com o bebê, o controle de infecções, controle de temperatura e principalmente a nutrição adequada.
A grande importância é garantir para esses bebês um crescimento na velocidade do crescimento intra-uterino, ou seja, evitando que esses bebês fiquem abaixo da curva de crescimento, tanto na infância quanto na adolescência. O ganho de peso adequado é o grande indicador se a nutrição ao bebê está sendo suficientemente adequada, pois a má nutrição nesse período de vulnerabilidade prejudica a desenvolvimento cerebral diminuindo o número de células dificultando assim o desenvolvimento e aprendizado dessas futuras crianças.
Existem algumas dificuldades para garantir ao Recém Nascido (RN) a quantidade adequada de nutrientes, um dos fatores pode ser a intolerância à glicose apresentada por alguns bebês, a restrição do volume da dieta e também em alguns casos são patologias que podem interferir nessa oferta de nutrientes.
O que é um bebê prematuro?
O bebê prematuro é aquele que nasce antes da 37ª semana de gestação, onde normalmente a duração de uma gestação é de 40 semanas.
A prematuridade possui três graus de classificação, o prematuro limítrofe, moderadamente prematuro e prematuro extremo.
O Prematuro limítrofe: Recém-nascido com idade gestacional de 35 a 37 semanas, pesando acima de 2.500g; Moderadamente Prematuro: Recém-nascido com idade gestacional de 31 a 35 semanas pesando entre 1.500 a 2.500g; Prematuro Extremo: Recém-nascido com idade gestacional de 24 a 30 semanas com peso igual ou inferir a 1.500g.
O bebê prematuro é mais vulnerável biologicamente, às vezes necessitando assim de alguns cuidados especiais como berço aquecido, sonda gástrica, aparelho de oxigênio, e cuidados especiais com a higiene.
Algumas características de um bebê prematuro são: baixo peso ao nascer, pouco cabelo, pele fina, orelhas finas e moles, pele rosada, poucos reflexos de sucção de deglutição.
As possíveis complicações de um bebê prematuro
O bebê prematuro pode desenvolver algumas complicações após o nascimento.
Uma das complicações é no sistema respiratório, ao nascer antes do tempo o bebê possui carência em surfactante pelo não desenvolvimento completo do pulmão, o surfactante é uma proteína que atua nos alvéolos que realiza a respiração. Caso o bebê não consiga respirar sozinho necessitará de ajuda de ventilação mecânica até o desenvolvimento completo dos pulmões, pode utilizar também a administração de surfactante.
Outro problema pode ocorrer em alguns casos nos prematuros extremos, a hemorragia cerebral, algumas são hemorragias pequenas que são absorvíveis pelo próprio organismo, porém nos casos mais graves podem ocorrer danos ao tecido cerebral.
O prematuro pode também vir a ter problemas cardíacos, a persistência do canal arterial que é um vaso que faz com que o sangue não passe para o pulmão quando o mesmo recebe oxigênio da placenta da mãe, geralmente esses vasos se fecham ao nascimento, porém nos prematuros ele pode vir a não fechar o suficiente, causando a insuficiência cardíaca do bebê. O tratamento pode ser através de medicamento ou intervenção cirúrgica.
Outra complicação séria que pode vir a ocorrer com o bebê é a enterocolite necrotizante (NEC), consiste em uma grave complicação intestinal de intolerância a dieta, onde deve-se suspender a alimentação e entrar com dieta intravenosa, em alguns casos é necessário intervenção cirúrgica.
A retinopatia da prematuridade também é um tipo de complicação que ocorre geralmente nos bebês nascidos antes da 32ª semana de gestação, a retinopatia é o crescimento exagerado dos vasos sanguíneos que chegam a retina podendo sangrar ou até mesmo ocorrer o descolamento da retina e perda da visão.

Cuidados necessários que a equipe médica precisa ter com o bebê

Ao nascer o bebê prematuro pode sofrer algumas complicações ou simplesmente permanecer alguns dias no hospital até possuir condições suficiente para receber alta. Os cuidados que um bebê necessita após o nascimento são muitos, porém para um bebê prematuro esses cuidados devem ser redobrados.
Primeiramente para o bom desenvolvimento e recuperação desse bebê é primordial que ele tenha contato com a mãe, a mesma deve tocar o bebê, conversar e até mesmo fazer mãe-canguru, esses detalhes são benéficos ao bebê. É sempre necessário que esse vínculo mãe – bebê deve ser auxiliado pelos enfermeiros do hospital, são eles que conseguem fazer com que a mãe possa perder os medos e até aprender todos os cuidados que deve ter com seu filho.
A equipe multidisciplinar além de necessitar de ferramentas para cuidar dos prematuros também necessita oferecer um tratamento humanizado a essas crianças e seus familiares, para isso eles devem possuir um bom relacionamento no trabalho assim como serem reconhecidos.
Os profissionais que atendem esses prematuros devem cuidar individualmente dos bebês, cuidando da higiene, evitando contaminações, dar apoio  aos familiares, assim como seguir as prescrições médicas, como a administração da dieta correta, nos horários corretos, melhorando assim o quadro clínico a recuperação e desenvolvimento do bebê.
Tipos de alimentação destinada ao bebê prematuro
O manejo nutricional do recém-nascido pré-maturo pré-termo (RNPT) representa um desafio a equipe multiprofissional em razão de condições especiais, como metabolismo acelerado, diminuição das reservas orgânicas, maior risco de complicações associadas à imaturidade do sistema digestivo e capacidade reduzida de adaptação ante situações de sobrecarga hidroeletrolitica. Em caso de RNPT com doenças, os conhecimentos científicos acerca da conduta nutricional ficam mais espargos, pois essas crianças apresentam reservas nutricionais para poucos dias, e quanto ao peso ao nascer, menor é a reserva nutricional.
A alimentação do RNPT visa nutri-lo de forma adequada para promover crescimento e desenvolvimento próximo do padrão normal, pois técnicas alimentares especificas e tipos variados de alimentos podem influenciar o desenvolvimento, a morbidade e a mortalidade dos recém-nascidos (RN) de um maneira geral, particularmente nos prematuros.
Existem controvérsias sobre qual o melhor alimento, quando deve ser o inicio da nutrição enteral (NE), qual a melhor forma para realizá-la, com que freqüência oferecer e com qual volume iniciar e incrementar o aporte nutricional.
Não há consenso na literatura sobre o melhor momento para iniciar a amamentação ao seio nos prematuros. Os indicadores tradicionais utilizados são estabilidade fisiológica, peso maior ou igual a 1.500g, idade gestacional igual ou maior do que 34 semanas e a capacidade de ingerir todo o volume prescrito. No entanto, ao optarmos por esses paramentos, podemos retardar o inicio da sucção direta ao peito.
Os critérios comportamentais devem ser levados em conta, como sugar a sonda nasogástrica, apresentar reflexo de busca durante o contato Pepe e pele e permanecer no estado de alerta, registrando também as observações das genitoras e da equipe de enfermagem.
Terapia nutricional Enteral
A nutrição enteral (NE) é indicada desde que o trato gastrointestinal esteja funcionado. As principais indicações são: RN com idade gestacional abaixo de 34 semanas ou peso inferior a 1.500g, sendo a freqüência de oferta a cada 3 a 4 horas ou quando solicitado pelo RN.
A NE tem como vantagens, principalmente se comprada com a nutrição parenteral, a baixa incidência de complicações clinicas significativas. Dentre as principais complicações da nutrição enteral podemos citar as mecânicas (perfuração gástrica, duodenal ou jejunal; esofagite) gastrointestinais (distensão, náuseas, vômitos, diarréias, enterocolite necrosante, alterações da flora bacteriana) e infecciosas (pneumonia aspirativa, contaminação do alimento e da sonda).
O inicio da alimentação enteral deve ocorrer o mais rápido possível, assim que as condições clinicas permitam e o trato gastrointestinal se mostre funcionante. È preconizado que a intervenção alimentar seja feita no mínimo ate 36 horas. Quando não for possível por conta das condições clinicas do RNPT, a intervenção deverá ser feita no máximo até 72 horas após o nascimento.
A alimentação enteral mínima é definida como prática de alimentação com volumes mínimos de dieta enteral em RNPT, com a finalidade de estimular e suprir nutrientes para o desenvolvimento do trato gastrointestinal durante a nutrição parenteral, minimizando o estresse provocado por ela. Essa conduta deve ser realizada entre 24 e 36 horas após o nascimento, com cerca de 12 a 24ml/kg/dia, promovendo efeitos benéficos, como a maturação das funções gastrointestinais, favorecendo a tolerância alimentar e reduzindo casos de enterocolite necrosante.
São inúmeras as vantagens do inicio precoce da dieta nesses RN. Dentre eles, podemos citar a promoção da motilidade intestinal, melhor tolerância alimentar, redução de incidência de sepse e indução da atividade da lactose, maior ganho de peso, incidência mais baixa de disfunção hepática e menor ocorrência de raquitismo clinico.
A via de administração mais usada é a sonda em pocsição g´strica, pois causa menos intolerância e também é de menor custo em relação a parenteral, alem de ser mais fisiológica. A administração intermitente é mais preferível do que a continua, com volumes iniciais de 1 a 3ml com intervalos de 1 a 2 horas. Conforme a evolução do quadro do RNPT, os volumes devem ser aumentados cerca de 5 a 10ml/kg/dia, até atingir 10 a 20ml/kg/dia, conforme a tolerância. A Administração continua é mais utilizada em RNPT extremos com quadros respiratórios graves ou em RNPT com intolerância a administração intermitente em conseqüência de refluxos ou resíduos gástricos persistente.
Terapia nutricional Parenteral
A nutrição parenteral (NP) é indicada para RN metabolicamente estáveis, quando a NE adequada não é possível e que podem enquadrar-se nas seguintes situações: peso menor do que 1.800g e sem perspectiva de receber NE significativa por mais de 3 dias ou peso de 1.800g ou mais e sem perspectiva de receber NF, significativa por mais de 5 a 7 dias. A NP utilizada por período muito curto (menor do que 3 dias) não apresenta benefícios nítidos, particularmente em neonatos maiores, que dispõem de reservas de energia e nutrientes mais importantes.
A NP é iniciada geralmente no segundo dia de vida. A glicose é a principal fonte de energia e deve ser ofertada na quantidade de até 3,4g/kg/dia, porem a velocidade infundida de glicose deve ser monitorada, pois a produção de insulina pelo fígado é insuficiente , podendo ocorrer hiperglicemia. Quanto as proteínas, os RNPT toleram 1g/kg/dia de aminoácidos, com o aumento diário de 0,5g/kg/dia, atingindo o máximo a 3g/kg/dia. A oferta inicial de emulsões lipídicas é de 0,5g/kg/dia, com incremento diário de mesmo valor, podendo chegar no máximo a 2,5 a 3,0g/kg/dia. (estas informações podem variar dependendo do autor das publicações consultas).
As complicações da NP são freqüentes e compreendem aquelas relacionadas ao cateter (posicionamento, arritmias cardíacas, fenômenos tromboembólicos), processos infecciosos (por S. aureus, S. epidermidis, fungos) e as metabólicas (hiperglicemia, hipoglicemia, distúrbios de sódio e potássio séricos, acidose hiperclorêmica).

Necessidades Nutricionais
 O fornecimento adequado de nutrientes tem como objetivo promover crescimento e desenvolvimento físico semelhantes aos da vida intrauterina na mesma idade gestacional. Ao nascerem, os RNPT têm necessidades nutricionais especiais, decorrentes de dua velocidade de crescimento e da imaturidade funcional.
A taxa metabólica basal do RNPT, de acordo com a calorimetria indireta, varia entre 60 e 75 kcal/dia. Para tais valores, devem-se acrescentar o gasto de energia pelo crescimento, a maior relação entre a superfície e a massa corporal. Assim, as necessidade energéticas ofertadas para o RNPT devem girar em torno de 110 a 150kcal/kg/dia, sendo 25% a 50% de carboidratos, 30% a 40% de lipídios e 10% a 20% de proteínas. (estas informações podem variar dependendo do autor das publicações consultas).
O aporte de aminoácidos, mesmo com a baixa ingestão de energia, economiza a proteína endógena por aumentar a síntese protéica, diminuindo, assim, a diferença entre proteólise e sintese3 de proteínas. Em decorrência da imaturidade gastrointestinal e hepática, a qualidade doa aminoácidos ofertados terá mais importância do que sua quantidade. Os aminoácidos de maior importância são: tirosina, cisteína, taurina, histidina, glicina, glutamina e arginina.
A glicose é um importante fonte de energia para o RNPT. No inicio de sua vida, os depósitos de glicogênio são limitados, pois eles têm dificuldade de produzi-lo. Para a adequada oferta calórica recomenda-se os carboidratos sejam responsáveis por 25% a 50% dessa oferta. No leite humano (LH) o principal carboidrato é a lactose e nas formulas especiais infantis há 50% de lactose e 50% de polímeros de glicose. Essa adição tem o objetivo de adequar a oferta calórica, diminuir a carga osmótica e melhorar a absorção de carboidratos. propõe a ingestão de 3,2 a 12g de carboidratos para cada 100kcal (leite humano ou formula infantil especial para prematuro), não devendo ultrapassar 8g por 100ml. Um ingestão maior pode causar diarréia osmótica, por conta da dificuldade que o RNPT tem de absorver grandes volumes de lactose. (estas informações podem variar dependendo do autor das publicações consultas).
A gordura deve corresponder de 30% a 40% das necessidades calóricas diárias dos RNPT. Os ácidos graxos essenciais têm grande importância no crescimento e desenvolvimento do sitema nervoso central (SNC) e também são de fácil absorção. Os lipídios são fundamentais para o desenvolvimento cerebral, necessários para a mielinização e o crescimento dos neurônios e para o desenvolvimento das retinas, e são partes componentes de fosfolipídios da membrana celular. A recomendação para lipídios gira em torno de 4,7g/kg/dia, com variação entre 4 e 9g/kg/dia.
As vitaminas e minerais em geral exercem papel fundamental no crescimento e desenvolvimento adequado, visto eu o prematuro é privado da deposição de minerais que ocorre no final da gestação; isso associado a baixa ingestão dietética, pode favorecer o aparecimento do osteopenia da prematuridade, manifestada por fraturas e microfraturas e causada, provavelmente, pela ingestão de fórmulas não especificas, leite materno não suplementado ou ingestão de NP por tempo prolongado.

Aleitamento Materno
O alimento de escolha para o RNPT é o leite de sua própria mãe. O leite produzido pela mãe de RNPT nas primeiras 4 semana pós-parto contém maior concentração de nitrogênio, proteínas com função imunológica, lipídios totais, ácidos graxos de cadeia média, vitamina A, D e E, cálcio, sódio e energia que aquele da mãe do RN a termo (RNT). Caso a criança não consiga sugar diretamente no peito, deverá receber o leite ordenhado. Uma estratégia alimentar que resulta num melhor ganho de peso entre os RNPT consiste na oferta do leite posterior, que contém até três vezes mais gordura do que o leite anterior.
A utilização de leite posterior da própria mãe, ordenhado mecanicamente para recém-nascidos de baixo peso (RNBP) hospitalizados em unidades neonatal de pais em desenvolvimento, esta relacionada a um aumento médio de peso da ordem de 18,8g por dia.
O leite materno protege da alergia os prematuros com historia familiar de atopia, principalmente no que diz respeito a incidência de eczema. Isso foi observado aos 18 meses de idade, quando aqueles que receberam leite artificial apresentaram maior risco de desenvolver esse tipo de reação se comparados aos que recebem LH de banco de leite.
Os ácidos graxos ômega 3 são essenciais para que haja desenvolvimento normal da retina, em especial nos recém-nascidos de muito baixo peso (RNMBP). Assim, esses lipídios, juntamente com outras substancias antioxidantes, como vitamina E, betacaroteno e taurina, poderiam explicar a proteção oferecida pelo LH contra o desenvolvimento da retinopatia da prematuridade. Sabe-se que a incidência e a gravidade dessa doença estão significativamente diminuídas nos prematuros que foram alimentados exclusivamente com leite materno ou receberam pelo menos 80% da sua ingestão láctea na forma de LH. Além disso, há vantagens no desempenho cognitivo em crianças nascidas prematuras alimentadas com LH.
Na impossibilidade do uso do LH para a alimentação do RNPT, são utilizadas formulas infantis especiais que preenchem suas necessidades primárias e apresentam-se com elementos funcionais que promovem a maturação e o desenvolvimento da visão e dos sistemas nervoso e imunológico.
A maioria das formulas infantis para RNPT contem ácidos linoléico e alfalinolênico, que são considerados essenciais para o desenvolvimento e crescimento do sistema nervoso central, maturação da visão e resposta inflamatória. No Brasil, o licenciamento de formulas infantis está baseada no Codex Alimentarius da Organização Mundial da Saúde (OMS).
 As formulas para RNPT desenvolvidas pela industria alimentícia têm como modelo o LH, mas são produzidas a partir do leite de vaca, que contem menor quantidade de proteína do soro do leite. Tais fórmulas não devem ser ofertadas de forma irregular (alteração de concetração, excesso de volume e acréscimo de ingredientes), podendo sobrecarregar o RNPT e afetar sua capacidade de metabolizar os nutrientes. Assim, os formulas infantis têm entre 240 a 300mOsm/kg e densidade calórica entre 70 e 81 kcal/100ml. (estas informações podem variar dependendo do autor das publicações consultas).
Estudos epidemiológicos britânicos apontam que RNPT alimentados com fórmula infantil apresentam probabilidade seis vezes maior de desenvolver enterocolite necrosante, quando comparados a bebês amamentados, e que bebês prematuros alimentados com leite da própria mãe teriam uma vantagem de 8,3 pontos no quociente de inteligência medido aos 7,5-8 anos de idade.
As diferenças qualitativas entre LH e formula infantil, tais como a especificidade no conteúdo de ácidos graxos, poderiam explicar as vantagens do desenvolvimento de RNPT. Considera-se que somente o leite materno contém quantidades adequadas de ácidos graxos poli-insaturados de cadeia longa, necessários ao desenvolvimento normal do cérebro e da retina.
Aditivos do Leite Humano
Aditivos industrializados, derivados de leite de vaca, também estão disponíveis e são recomendados por algumas fontes no sentido de atingir a necessidade nutricional das crianças.
Não existe recomendação unânime quanto a utilização desses aditivos disponíveis sob a forma de pó ou liquido. No entanto, a maior parte dos estudo sugere o seu uso em RN com peso de nascimento menor do que 1.500g. outros trabalho recomendam o uso em RN com idade gestacional menor do que 32 semanas. Existem sugestões para sua utilização em populações de risco, como, por exemplo, em RNPT com doença pulmonar crônica, após cirurgia ou durante o uso de corticoterapia, ou seja, situações em que aumentam o catabolismo ou alterem a incorporação protéica e mineral.
A composição do aditivo do LH varia em relação a quantidade e fonte de proteína, de cálcio e fósforo, à presença e à quantidade de oligoelementos e vitaminas e à fonte de carboidratos (lactose ou polímeros de glicose, como a dextrino-maltose). Esses últimos, por sua vez, influenciarão a osmolaridade. Recomenda-se iniciar a adição desses preparados quando o RN estiver recebendo pelo menos 100ml/kg/dia de LH ou de 50% a 80% das suas necessidades nutricionais.
Existe uma grande variedade de aditivos de LH, a maioria preparada à base de proteínas, carboidratos, cálcio, fósforo, magnésio e sódio, podendo também conter zinco, cobre e vitaminas.
A adição desses nutrientes de origem bovina ao LH tem garantido a obtenção de taxas de crescimento apropriadas aos RNMBP, sem afetar o esvaziamento gástrico e a tolerância alimentar.
Vale ressaltar, no entanto, que a manipulação do leite materno não é isenta de riscos. A adição de substancias exógenas pode alterar a osmolaridade e afetar as propriedades beneficiadas com essa suplementação nutricional.
Alguns estudos realizados analisando um novo aditivo com maior quantidade de proteína, menor quantidade de lactose, mas com a mesma quantidade de carboidratos na forma de polímeros de glicose, menor quantidade de cálcio e fósforo e o dobro da quantidade de sódio administrado a um grupo de RNMBP, observaram maior ganho de peso, crescimento linear e de perímetro cefálico e também níveis mais altos de uréia nitrogenada, ao comparar esse grupo com o que recebeu o aditivo comercial.
Entretanto, os dados existentes não são unânimes, pois alguns estudos, como os descritos, observaram um menor ganho de peso e um menor crescimento linear entre os RN que receberam leite materno aditivado; em contrapartida, uma metanálise reunindo 596 RN observou um maior ganho de peso entre os RNPT que receberam leite materno aditivado e também maior crescimento em comprimento e perímetro cefálico.
Considerações a Prematuridade
 O parto prematuro está permeado pela urgência e envolve um trauma tanto para a mãe, quanto para o bebê. A sobrevivência do bebê prematuro está relacionada aos avanços científicos e tecnológicos que permitem aumentar os limites de viabilidade e aperfeiçoar as técnicas de cuidados em relação a esse bebê e ao longo da internação a questão da alimentação vai sendo colocada em destaque.
Neste âmbito, o que se deseja é nutrir o RNPT de forma a promover um crescimento adequado capaz de refletir o que ocorreria no desenvolvimento intrauterino, além de garantir um bom desenvolvimento neurológico, evitando sequelas futuras.
A utilização preferencial do leite materno na NE, o controle das ofertas energético-proteicas, o início precoce da nutrição enteral mínima, a introdução precoce da nutrição parenteral já nas primeiras 36 horas e a utilização dos imunonutrientes que tenham estudos suficientes para fundamentar sua indicação, podem se constituir em boas diretrizes adjuvantes na prevenção e no tratamento da sepse neonatal e da enterocolite necrosante.
Nota-se também a necessidade de mais estudos para entendermos a nutrição do RNPT e seu papel protetor, não somente na profilaxia de infecções, mas também no neurodesenvolvimento e na prevenção de consequências deletérias futuras.
Apesar dos grandes avanços na área de nutrição e alimentação de prematuros, ainda são necessários estudos em longo prazo para entender melhor as necessidade nutricionais, como também a forma de supri-las.
AVISO: Qualquer informação aqui não desconsidera as recomendadas por seu médico, toda orientação caberá somente ao profissional habilitado.   

Referências Bibliográficas

FOSENCA, L. M. M. Cartilha educativa dos cuidados com o bebê prematuro: orientações para a família. 2. ed. Ribeirão Preto: FIERP, 2005. 60 p. Disponível em : <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cartilha_cuidados_bebe_premat.pdf>. Acessado em: 03. Out. 2013.

GOMES, Ana Lucia Henriques. A relação mãe-bebê na situação de prematuridade extrema: possibilidades de intervenção da equipe multiprofissional. Psicol. hosp. (São Paulo) [online]. 2004, vol.2, n.2, pp. 0-0. ISSN 1677-7409. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-74092004000200004 Acesso em: 04 Out. 2013.

MOREIRA, M.; LOPES, J.M. A; CARALHO, M. (orgs). O recém-nascido de alto risco: teoria e prática do cuidar. Rio de Janeiro: Editora: FIOCRUZ, 2004. 564 p. Disponível em: <http://books.scielo.org>. Acessado em 03 out. 2013.

NUTRIÇÃO CLÍNICA: OBSTETRÍCIA E PEDIATRIA. Organizadoras Maria Josemere de Oliveira Borba Vasconcelos, et al. Rio de Janeiro: MedBoook, 2011.

OLIVEIRA, B. R. G. et al. O processo de trabalho da equipe de enfermagem na UTI Neonatal e o cuidar humanizado. Texto contexto - enferm. [online]. 2006, vol.15, n.spe, pp. 105-113. Disponível em: <http://www.scielo.br>. Acessado em: 03. Out. 2013.

PARKER, S. O corpo Humano. São Paulo: Ciranda Cultural, 2007. 256 p.