Qualquer pessoa que esteja pensando em alterar a sua dieta deve consultar um médico. Gisele não é médica, é estudante de Nutrição e tudo que ela estiver postando neste blog não é de sua autoria, mas de descobertas e conhecimentos adquiridos, retirados de livros ou pesquisas em sites, que serviram tanto para ela como para você. Com o único interesse de adotarmos uma alimentação mais saudável.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

VERTICULITE OU DIVERTICULITE

Diverticulite
Diverticulose é a presença de pequenas bolsas que se projetam para fora da parede intestinal. A diverticulite é a inflamação de um divertículo.
A diverticulose ocorre com freqüência semelhante em homens e mulheres, aumentando com a idade. Um terço das pessoas com mais de 50 anos e 2/3 daquelas com mais de 80 anos tem divertículos no cólon, porém a grande maioria é assintomática(não produz os sintomas característicos).
Apesar de não ser totalmente conhecida a origem, acredita-se que dois fatores estejam associados ao surgimento dos divertículos: o aumento da pressão no interior do intestino e um enfraquecimento de pontos da parede intestinal.
Apenas uma minoria dos indivíduos tem queixas relacionadas à diverticulose. A queixa mais comum é de desconforto doloroso na região inferior esquerda do abdome com variável tempo de duração e que alivia com a eliminação de gases ou fezes. Diarréia ou constipação (intestino trancado/prisão de ventre) também podem ocorrer.
A diverticulite manifesta-se por dor forte na parte inferior esquerda do abdome, acompanhada de febre e, geralmente, constipação. Podem estar associados também náusea, vômito e diarréia com muco, pus ou sangue.
Qual é o tratamento?
A maioria dos casos de diverticulose tem suas queixas melhoradas com tratamento clínico. Dietas ricas em fibras e/ ou remédios que umedecem e aumentam o volume das fezes, diminuindo o esforço para evacuar, podem aliviar sintomas, prevenir novos divertículos e, principalmente, diminuir complicações como a diverticulite. Remédios anti-espasmódicos que diminuem as contrações excessivas do intestino, podem ser usados. O estresse emocional também tem sido relacionado com aumento dos espasmos do intestino e, assim, com aumento do risco de divertículos e suas complicações.
O tratamento da diverticulite depende da gravidade do caso, variando desde repouso, dieta sem resíduos e analgésicos, até uso de antibióticos, internação hospitalar com reposição de líquidos pela veia e cirurgia. A cirurgia consiste basicamente na retirada da parte do intestino onde se encontram os divertículos, geralmente todo o cólon sigmóide. Algumas vezes não é possível realizar a junção das partes que restaram do intestino, sendo necessária uma colostomia com uma bolsa externa para coletar as fezes, em geral, temporária.
A dieta para a diverticulite inclui o consumo de alimentos ricos em fibras para ajudar na formação do bolo fecal. Mas inicialmente quando o intestino encontra-se inflamado o ideal é não comer muitas fibras e seguir uma dieta líquida, à base de sucos de frutas naturais e sopas nas refeições principais.
Algumas dicas de alimentos que podem ser ingeridos através da dieta líquida são todas as frutas em forma de suco ou em forma de vitamina, quando batidas com leite desnatado. Dentre os legumes e verduras estão a batata, cenoura, abóbora, abobrinha, lentilhas, beterraba, caldinho de feijão, mandioca, couve e espinafre.
Recomendações
* Inclua preferencialmente alimentos com alto teor de fibras na sua dieta habitual. Frutas, vegetais, cereais integrais e grãos são importantes para o processo digestivo como um todo e fundamentais para o bom funcionamento intestinal e para prevenção da doença diverticular;
* Beba pelo menos dois litros de líquido por dia para facilitar a formação do bolo fecal;
* Não tome laxantes por conta própria para combater as crises de obstipação intestinal;
* Lembre-se de que a atividade física ajuda a acelerar o metabolismo e, conseqüentemente, o trânsito intestinal.
Terapia Nutricional: dicas de alimentação para diverticulite
- A dieta sem resíduos deve ser ofertada principalmente na fase aguda da doença. (As dietas podem ser denominadas como sendo sem resíduos quando é isenta de leite in natura e de alimentos crus)
- Mastigar bem os alimentos
- Ingerir líquidos (água, chás e sucos)
- Evitar alimentos gordurosos
- Preferir carnes magras (retirar a gordura visível)
- Utilizar temperos naturais (alho, salsa, cebolinha, coentro, orégano, manjericão
- Devem ser evitadas as sementes dos alimentos (pães e biscoitos integrais com gergelim, quiabo, maracujá, kiwi, goiaba)
- As frutas com bagaço devem ser consumidas na forma de suco, que deve ser coado
- Os alimentos flatulentos(provoca gases) devem ser evitados (brócolis, couve-flor, pepino, repolho, feijão)
- Alimentos industrializados com alto teor de gordura devem ser evitados (frituras, biscoitos recheados, lingüiça, mortadela, massas ao molho branco com queijo e maionese).
 - Durante a vigência da doença não se deve comer alimentos como: Tomate; Pepino;Goiaba; Feijão com casca, o caldinho esta liberado; Brócolis; Lentilha; Nozes; Amendoim; Maracujá; Kiwi; Carnes vermelhas e gordurosas; Embutidos; Refeições congeladas; Alimentos enlatados. (Todos estes alimentos estão contra-indicados durante o tratamento da diverticulite, por causar gases ou por conter sementes que podem alojar-se nos divertículos aumentando a inflamação intestinal)
Terapia nutricional: fibras
Devido à constipação crônica estar associada a essa enfermidade, deve-se fazer uma dieta leve quando o indivíduo estiver em fase inflamatória e depois iniciar com uma dieta rica em fibras. Tal dieta promoverá fezes macias e volumosas que serão eliminadas rapidamente, necessitando de menos esforço para defecar e menos pressões no intestino.
Os alimentos ricos em fibras são muito importantes para a saúde. As fibras não são encontradas em alimentos de origem animal, como carnes, ovos e laticínios, apenas nas plantas. Elas são as partes dos grãos, vegetais e frutas que ajudam no processo digestivo e auxiliam o trabalhar do intestino.
Uma dieta rica em fibras e com pouca quantidade de gorduras melhora o funcionamento do intestino, previne doenças do coração, câncer e diabetes. As fibras também ajudam no controle de peso, prevenindo e tratando a obesidade. Estes alimentos ficam mais tempo no estômago e dão a sensação de saciedade. Assim, acabamos ingerindo menos calorias ao longo do dia.
Os alimentos comuns podem ser trocados pelos alimentos ricos em fibras e pelas versões integrais. Para quem não gosta muito dos integrais, existem em alimentos em forma de farelo, como a linhaça, por exemplo. Os farelos podem ser colocados em bolos, pães, massas e até mesmo no arroz.
Os feijões, ervilhas, grão de bico, lentilhas e outras leguminosas podem ser colocadas em sopas, cremes, ensopados e saladas, pois são excelentes fontes de fibras. Prefira consumir arroz integral, cevada integral, farelos, trigo para quibe em sopas, saladas e pratos principais. Além de mais saudáveis, também ajudam a diferenciar o cardápio do dia-a-dia.
As frutas e hortaliças como a maçã e a batata, também são ricas em fibras, que ficam concentradas em suas cascas. Faça saladas, recheios para sanduíches, tortas, sucos e coma frutas frescas.
Consumo de fibras
Nunca aumente rapidamente o consumo de fibras na dieta, pois você pode sentir flatulências, estufamento, cólicas ou diarréia. Para evitar os desconfortos, o aumento deve ser gradativo, assim seu intestino pode se adaptar.
Aumente o consumo de líquidos, o ideal é de 6 a 8 copos diariamente, para não dificultar a absorção de minerais. As barrinhas de cereais são saborosas e podem ser encontradas em diversos sabores. Elas possuem alta quantidade de fibras como granola e outros cereais.
Conheça alguns alimentos ricos em fibras
Cereais integrais: aveia, quinoa, arroz e pão integral, linhaça
Frutas: laranja, maçã, manga e ameixa, sempre com casca e bagaço
Vegetais: couve, repolho, agrião e berinjela
Grãos: feijão, lentilha, soja, ervilha e grão-de-bico

Importante: No caso de suspeita desta patologia consulte seu médico. Nunca modifique sua dieta sem a orientação de um profissional.

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Na terça Feira passada foi-me diagnosticado Diverticulite através de um exame (TAC).

    Agradeço a informação que postou no seu blog, pois os comentários que os médicos fizeram estão de acordo com a sua informação.

    Cumprimentos,

    Paulo Santos
    Portugal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo Santos fico feliz que leste meu post. Apesar desta doença ser tratável, cuide-se.

      Excluir